Você está aqui
Início > Universo > 10 Objetos estranhos que existe em nosso sistema solar

10 Objetos estranhos que existe em nosso sistema solar

O universo é realmente imenso e curioso, gosta de nos confundir. Existem tantos objetos no nosso sistema solar que não conhecemos ou nem sequer ouvimos falar.

Confira abaixo 10 objetos estranhos que existe em nosso sistema solar:

10- 90482 Orcus e Vanth

90482 Orcus e Vanth
90482 Orcus e Vanth

90482 Orcus é um objeto de cinturão de Kuiper com quase exatamente o mesmo período orbital, inclinação e distância do Sol como Plutão. Pluto e Orcus também compartilham uma ressonância com Netuno, embora Orcus seja orientado de forma diferente. Não são apenas suas órbitas quase idênticas, mas ambos têm luas que são muito grandes em relação ao seu tamanho. A lua de Plutão, Charon, é metade do tamanho de Plutão, e Vanth foi estimada em um terço do tamanho de Orcus.

O nome “Orcus” foi escolhido porque é o equivalente etrusco para o “Plutão” romano. A superfície de Orcus é coberta com gelo cristalino e, possivelmente, gelo de amônia, o que indica que algum tipo de atividade geológica e criovulcanismo pode ter ocorrido no passado. Se a presença de amônia fosse confirmada, Orcus poderia ajudar os cientistas a entender a formação de outros objetos trans-netunianos.

9- 90 Antíope

90 Antiope
90 Antíope

O número do nome “90 Antíope” significa que ele foi o 90º asteroide descoberto. Este objeto raro está orbitando dentro do cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter e é um sistema binário (também conhecido como “asteroide duplo”).

Quando descoberto pela primeira vez, Antíope foi deixado de lado, porque achava-se que ele não era diferente de outros inúmeros pequenos objetos que orbitam dentro do cinturão de asteroides. No entanto, em 2000, o telescópio terrestre “Keck II” de 10 metros, estabelecido no Havaí, observou que a grande mancha singular vista por telescópios mais antigos era na verdade dois corpos menores que orbitam um ao lado do outro.

Cada um deles tem aproximadamente 86 km de diâmetro e seus centros estão separados por uma distância de apenas 171 km. A melhor maneira de imaginar o Antíope é pensar em duas bolas de boliche mantidas juntas.

8- Hexágono de Saturno

Hexágono de Saturno
Hexágono de Saturno

Todos nós sabemos sobre Saturno e seus anéis, mas você já ouviu falar sobre seus padrões de nuvens? No início dos anos 80, a missão Voyager fez uma descoberta surpreendente e sem precedentes, o que foi confirmado por uma visita da sonda Cassini.

Todo o polo norte de Saturno é uma tempestade hexagonal gigante com lados mais compridos do que o diâmetro da Terra. A tempestade tem sido travada por mais de 30 anos. O hexágono não se move com o resto das nuvens no planeta, e uma vez que possui um grau tão grande de precisão geométrica, inúmeras teorias de conspiração surgiram sobre ele.

Embora o fenômeno ainda não esteja totalmente explicado, os cientistas têm várias ideias que ajudam a explicar exatamente o que está acontecendo usando “dinâmica de fluidos”. Experimentos de laboratório mostraram que em um fluido onde o centro está girando mais rápido do que os lados exteriores, a turbulência começa a criar arestas. Em velocidades suficientemente altas, as formas de polígonos começam a aparecer. Desde que os ventos no hexágono foram cronometrados em 322 quilômetros por hora, os lados nítidos se formaram. Enquanto isso soa como uma teoria bastante sólida, alguns ainda estão convencidos de que é uma abertura para outra dimensão.

7- Haumea

Haumea
Haumea

Antes que fosse nomeado oficialmente, 136108 Haumea era conhecido como “Santa”, devido por ter sido descoberto em 28 de dezembro de 2004. Isto é realmente bastante apropriado, uma vez que Haumea é um planeta anão talentoso e único.

Os cientistas inicialmente acharam difícil tomar medidas de Haumea por causa de sua rotação extremamente rápida, mais rápido do que qualquer outro corpo conhecido no sistema solar – um dia é de apenas 3,9 horas de duração. A rotação em si não causaria muitos problemas, mas Haumea não gira em forma de qualquer outro planeta. Devido à sua composição de rocha e gelo e sua gravidade muito baixa, a imensa força centrífuga tem esticado a superfície para o que é conhecido como um “elipsóide escaleno”. Isso significa que a distância entre os seus polos é de 996 quilômetros, mas seu eixo mais longo é de 1.960 quilômetros. Não é só Haumea que possui algumas das propriedades mais interessantes de rotação, também tem duas luas, Hi’iaka e Namaka.

6- Pan e Atlas

Pan e Atlas
Pan e Atlas

Essas duas luas de Saturno têm muito em comum e são as duas luas mais próximas ao seu corpo progenitor. O que torna estes dois tão especiais é o fato de que eles parecem ter copiado os anéis de Saturno.

Pan, é conhecido como uma “lua de pastor”, e seu nome é em homenagem ao Deus dos pastores, enquanto Atlas foi nomeado após o titã que “segurou o céu em seus ombros”, uma vez que suporta os anéis de Saturno.

Os equadores alongados dessas luas não podem ser explicados da mesma maneira que Haumea, já que eles não giram o suficiente para protuberância. A rotação rápida também cria um alongamento uniforme, e essas luas definitivamente não são regulares. Acontece que, após muitas simulações por computador, a Universidade de Paris encontrou a resposta: discos de acréscimo. Conforme o disco de detritos gira, as bordas da estrutura achatam. Durante a formação das luas de Saturno, discos de acreção feitos de pó dos anéis de Saturno se formaram em torno das pequenas luas e eventualmente se acumularam em seus equadores.

5- 2008 KV42

2008 KV42
2008 KV42

Este cometa foi apelidado de “Drac”, em homenagem ao Conde Drácula. Drac foi o primeiro objeto trans-netuniano descoberto a orbitar o Sol em direção contrária, embora lentamente, levando 306 anos para completar uma volta.

Drac, no entanto, nunca se aproxima cerca de 20 vezes a distância do Sol à Terra – igual à órbita de Urano. Isto significa que o cometa pode ser o elo perdido entre objetos como o cometa de Halley e outros detritos na nuvem distante de Oort de cometas passados por Plutão, ajudando a explicar sua formação, que atualmente é um mistério para a ciência.

Há muitas ideias por aí tentando explicar por que a órbita de Drac é tão diferente de quase todos os outros. Uma das perspectivas mais interessantes é que talvez não tenha se formado em conjunto com nosso sistema solar – de outra forma ele orbitaria na mesma direção que qualquer outra coisa. É perfeitamente possível que o cometa poderia ter ficado preso em nosso sistema solar a partir do espaço interestelar, fornecendo-nos com uma quantidade sem precedentes de informações sobre o cosmos.

4- Triton

Triton
Triton

Triton representa 99% de toda a massa conhecida por orbitar em Netuno. Como mostrado pela sonda Voyager 2 em 1989, Triton é raro entre as luas conhecidas em que é geologicamente ativo: sua superfície é cheia de vulcões, mas eles não expelem cinzas e lava quando entram em erupção, como os da Terra. Ao invés disso, eles expelem água e amônia.

Sendo apenas um pouco menor do que a nossa própria Lua, Triton é a única grande lua no sistema solar para orbitar para trás. Além disso, sendo uma das maiores luas conhecidas em nosso sistema solar – maior do que Plutão – tem apenas a gravidade suficiente para suportar uma atmosfera fina.

Com pressão de ar de superfície 50.000 vezes menor que a da Terra, você não poderia empinar pipa por exemplo, na superfície de Triton. No entanto, incrivelmente, a Voyager 2 fotografou nuvens voando a poucos quilômetros acima da superfície.

Finalmente, Triton é um dos objetos mais reflexivos conhecidos pela ciência, refletindo 60 a 95% de toda a luz que atinge. Para colocar isso em perspectiva, a Lua – que é capaz de lançar sombras na Terra à noite, reflete apenas 11%.

3- Anel extra de Saturno

Anel extra de Saturno
Anel extra de Saturno

Enquanto o planeta é conhecido por seu sistema de anel desconcertante, só recentemente descobrimos até que ponto ele se estendeu para o espaço. Em 2009, descobrimos um enorme anel ao redor de Saturno, a maior e mais larga banda ao redor do mundo anelado. O anel é inclinado 27 graus dos anéis principais e começa aproximadamente 128 vezes o raio do planeta de sua superfície, estendendo a 207 vezes seu raio no espaço.

É tão difusa que só pode ser detectada no infravermelho, mas pode ser a razão por trás da lua de dois tons, Iapetus. A Lua de Saturno conhecida como Phoebe orbita dentro do anel e na mesma inclinação, por isso é muito provável que seja a culpada. A poeira se dispersa de Phoebe e cai sobre o Iapetus maior, que orbita na borda deste novo anel colossal. Toda vez que Iapetus passa por ele, a matéria se acumula no seu equador.

2- Luas Siamesas

Luas Siamese
Luas Siamese

As luas Janus e Epimeteu são conhecidas como as “luas Siamesas”, porque compartilham a mesma órbita e são separadas por somente 50 quilômetros – que é menos do que o raio das próprias luas. Devido a isso, eles são bloqueados em um tango gravitacional que faz com que eles literalmente troquem de lugares a cada quatro anos.

Devido a isso, elas estão presas em uma espécie de tango gravitacional que faz com que literalmente troquem de lugar a cada quatro anos. Apesar do seu complexo relacionamento, elas nunca vão colidir uma com a outra.

Originalmente, os cientistas ficaram intrigados porque os dados que tinham não correspondiam às suas expectativas da lua chamada “Janus”. Em 1978, 12 anos após a descoberta de sua órbita comum, percebemos que o que achávamos ser uma só lua era na verdade duas. Isto foi confirmado pelo voo rasante da sonda espacial Voyager em 1980. Curiosamente, um leve anel de poeira está presente na região de suas órbitas. Isso sugere que as duas luas foram uma vez um único corpo maior que, desde então, foi quebrado e está deixando para trás vestígios.

1- 3753 Cruithne

3753 Cruithne
3753 Cruithne

Desde 1846, os astrônomos têm procurado uma segunda lua para a Terra. Frederic Petit foi o primeiro a afirmar que havia encontrado uma. Ele propôs que orbitasse a Terra em menos de três horas a apenas 11 quilômetros da superfície do planeta. Desde então, muitos outros astrônomos alegaram encontrar uma segunda lua – mas sem sucesso.

No entanto, há uma exceção estranha – 3753 Cruithne é um asteroide alienígena que orbita o Sol em 364 dias, com ressonância perfeita com a da Terra. Isto significa que, por um curto período de tempo todos os anos, o asteroide de 5 km faz parte do sistema terrestre. Ele atinge seu ponto mais próximo à Terra a cada novembro. Tecnicamente, não conta como uma lua, já que ela deixa a Terra. Mas ainda é bom pensar que todos os anos, um objeto estranho vem nos visitar.

Outras Curiosidades

Deixe uma resposta

Top